Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) pagou indenizações e restituições já prescritas em 2010 e 2011, à época R$ 4 milhões, hoje cerca de R$ 10,6 milhões corrigidos - Imagem: Google/Reprodução
Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) pagou indenizações e restituições já prescritas em 2010 e 2011, à época R$ 4 milhões, hoje cerca de R$ 10,6 milhões corrigidos - Imagem: Google/Reprodução

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) apresentou ao Judiciário ação civil pública de ressarcimento de dano ao erário estadual no valor de R$ 10,6 milhões. Com base em prova pericial, a Promotora de Justiça Darci Blatti afirma que o Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) com suporte financeiro da Secretaria Estadual da Fazenda pagou, entre os anos de 2010 e 2011, indenizações e restituições já prescritas.

Para garantir a reparação aos cofres públicos, a Promotora de Justiça requer  de forma liminar a indisponibilidade de bens do ex-secretário da Fazenda  Antônio Marcos Gavazzoni e do ex-presidente do Deinfra Romualdo França Júnior, de modo solidário, no total de R$ 10,6 milhões.    Na ação, ajuizada no dia 27 de março de 2019, a Promotora de Justiça demonstra, por meio de perícia, que 13 grupos empresariais receberam a título de indenizações e restituições já prescritas cerca de R$ 4 milhões, cujo valor atualizado chega aos R$ 10,6 milhões.

A correção monetária pelo atraso no pagamento da dívida principal tinha que ter sido exigido em até cinco anos após a quitação do montante devido, conforme prevê a legislação. Ocorre que as 13 construtoras esperaram mais de cinco anos para requererem o pagamento das multas. E coincidentemente, afirma a Promotora de Justiça, a maioria dos 13 grupos empresariais, com sede nas mais diversas unidades da federação, protocolou o pedido de pagamento no mesmo dia e praticamente na mesma hora, presencialmente. Os pedidos foram protocolados em 2008.

Publicidade

Além disso, a Promotora de Justiça demonstra na ação que o ex-presidente do Deinfra Romualdo França Júnior e o ex-Secretário da Fazenda sabiam que estavam pagando multas já prescritas. Ofício de uma diretora de administração do Deinfra alerta Romualdo sobre a prescrição das verbas pretendidas por uma das empresas. Em resposta, o ex-Presidente do Deinfra disse que pagaria as solicitações, mas excluiria as verbas prescritas. A perícia realizada a pedido da Promotoria de Justiça mostra que tudo foi pago, inclusive as indenizações prescritas.

”Trata-se de um verdadeiro descaso generalizado e doloso para com o erário. Uma obrigação prescrita é uma obrigação inexigível judicialmente e, portanto, seu adimplemento constitui um seríssimo dano ao erário”, explica a Promotora de Justiça. Darci Blatti sustenta, ainda, que os envolvidos ofenderam o princípio constitucional da legalidade, vez que atuaram de modo discricionário em uma situação que não lhes é autorizada tal postura.

A Ação Civil Pública de ressarcimento de dano ao erário com pedido de liminar está sob análise do Judiciário.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here