Irrigador industrial mecânico sobre uma grande lavoura de terra seca
A irrigação das lavouras no Brasil é uma das atividades que mais consome água -; agricultura e pecuária somaram consumo de 32,5 bilhões de m³ em 2015

Em 2015, a atividade econômica Água e Esgoto correspondeu a 0,5% do Valor Adicionado Bruto (VAB) total da Economia brasileira. O consumo de água para cada R$ 1,00 de Valor Adicionado Bruto foi de 6 litros, aponta levantamento inédito do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) denominado Contas Econômicas Ambientais da Água do Brasil (CEAA), com informações de 2013 a 2015.

Dos 6,2 trilhões de m³ de água que configuravam os recursos hídricos renováveis do país em 2015, houve uma retirada total de aproximadamente 3,2 trilhões de m³ para atendimento próprio e captação para distribuição. Já o consumo total de água em 2015 foi de 30,6 bilhões de m³ – insumos hídricos não devolvidos à natureza.

O valor da produção de água de distribuição e Serviços de esgoto foi R$ 42,5 bilhões, sendo a água de distribuição responsável por 67,2% desse total. O custo médio por volume de água distribuída e serviços de esgoto da economia foi de R$ 2,49/m³.

Publicidade

Excluindo as atividades de Eletricidade e gás e de Esgoto e atividades relacionadas (que têm volume de retirada e retorno ao meio ambiente quase equivalentes), as principais atividades que captam água diretamente foram: a Agricultura e pecuária (32,5 bilhões de m³); a Captação, tratamento e distribuição da água (17,1 bilhões de m³); e a Indústria de transformação e construção (6,1 bilhões de m³).

As famílias foram as principais responsáveis pelo uso de água de distribuição (68%) e serviços de esgoto (78,6%). O uso per capita de água pelas famílias foi de 108,4 litros/dia.

De 2013 para 2015, houve uma queda acumulada de 3,8% no volume de água retirada do meio ambiente para distribuição. O volume de recurso hídrico fornecido pela Atividade Água e Esgoto para uso das famílias e demais atividades (seus dois maiores usuários) recuou 4,3% e 3,4% respectivamente. Já as despesas de consumo final de água de distribuição pelas famílias aumentaram 8,8% e as de consumo intermediário do grupo Demais atividades, 10,4%.

Brasil dispunha de 6,2 trilhões de m3 de água em 2015

O total de recursos hídricos renováveis no país – ou seja, toda a água disponível e renovável – sofreu algumas oscilações no período analisado pelas CEAA, que vai de 2013 a 2015. Esse total era de 7,4 trilhões de m³ em 2013, subiu para de 7,6 trilhões de m³ em 2014 e recuou para 6,2 trilhões de m³ em 2015.
Considerando-se os recursos hídricos disponíveis em 2015 e a população do país, o Brasil tinha naquele ano cerca de 30,3 mil metros cúbicos de água por habitante.

Retirada total de água da economia foi de 3,2 trilhões de m³

Dos 6,2 trilhões de m³ de água disponíveis no país em 2015, cerca de 3,2 trilhões de m³ foram retirados da natureza para serem usados em alguma atividade econômica. Na média, o país utiliza apenas pouco mais da metade de seus recursos hídricos na Economia. Ainda assim, mais de 99% dessas retiradas são devolvidas à natureza (um exemplo disso são as hidrelétricas). Somente 0,5% dos recursos hídricos (ou 30,6 bilhões de metros cúbicos) são, de fato, consumidos pelas famílias e pelas empresas.

Publicidade
COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here