Carlos Moisés e Fabiano da Luz vão à COP26 defender investimentos de SC contra estiagem

Carlos Moisés e Fabiano da Luz vão à COP26 defender investimentos de SC contra estiagem
Governador e deputado ligado ao trabalho de enfrentamento às estiagens integram comitiva de SC que vai à conferência do clima em Glasgow - Ag AL/Divulgação/CSC

Tive a honra de ser convidado pela Assembleia Legislativa (Alesc) para representar o parlamento catarinense na 26ª Conferência das Nações Unidas para a Mudança do Clima (COP 26), em Glasgow, na Escócia”, comentou nesta quarta-feira (3) o deputado Fabiano da Luz (PT), durante a sessão plenária.

Segundo ele, a ausência do presidente Bolsonaro no evento reforça a falta de empenho do governo brasileiro no tocante às questões relacionadas ao meio ambiente e às mudanças climáticas. “Isto fez com que os governadores assumissem este protagonismo e compromisso para que futuramente não enfrentem dificuldades com a comunidade internacional, principalmente de países da Europa.”

Segundo Fabiano, a sua indicação para compor a comitiva do governo de Santa Catarina nesta missão teve ligação direta com o fato de ele ser coordenador da Frente Parlamentar dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) na Alesc, dentre eles as mudanças climáticas, e também por ser o autor da lei que regulamenta os ODS em Santa Catarina, a única em tramitação hoje no Brasil. “A ONU, através da sua representação nacional, fez esse convite à Alesc, que por sua vez nos indicou.”

Publicidade

Fabiano destacou que as estiagens cada vez mais constantes são um indicativo de que as mudanças climáticas atingem o Estado de forma cada vez mais severa. “Os desmatamentos da Amazônia interferem na regularidade do clima, porque as nuvens de chuva descem pela Cordilheira dos Andes para chegar ao Sul do país.”

Ele disse que a quantidade de poços perfurados neste ano em Santa Catarina mostra que a água está sendo captada bem abaixo do solo. “Temos também projeto de lei aprovado e sancionado que permite ao governo do Estado pagar para o agricultor que preservar suas nascentes e córregos, e que manter essa água superficial”, destacou.

Publicidade