Escassez de milho em 2020 vai encarecer as carnes, alerta Faesc

    espigas de milho maduras em plantação
    Com menor oferta de grãos para avicultura e suinocultura, responsáveis por 96% da demanda do grão em SC, preço das carnes deverá aumentar no próximo ano - Divulgação/CSC

    Confirma-se dia a dia o alerta que a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) fez em setembro sobre a escassez de milho no mercado interno brasileiro em 2020, o que acarretará em prejuízos para as cadeias produtivas de aves e suínos e para o parque agroindustrial, o que irá se refletir nos preços das carnes.

    A insuficiência de milho será decorrência de fatores naturais (seca, queimadas, atraso no plantio e redução de área cultivada) e econômicos (aumento das exportações do grão em face da situação cambial favorável), analisa o vice-presidente da Faesc, Enori Barbieri.

    Ele observa que o Brasil alcançou uma safra recorde de 101 milhões de toneladas. (O país colheu cerca de 25 milhões de toneladas na safra e 76 milhões na safrinha). Desse volume, 60 milhões de toneladas ficarão para consumo interno, o restante será exportado.

    Publicidade

    “A situação cambial estimula a venda externa e o País deve embarcar 40 milhões de toneladas”, destacou o dirigente. A exportação enxugará o mercado interno e, portanto, o milho-grão ficará mais escasso e mais caro. Outro detalhe: 5 milhões de toneladas serão transformados em etanol de milho no centro oeste do Brasil, o que reduzirá ainda mais a disponibilidade do grão no próximo ano.

    Segundo a Faesc, ficou difícil segurar o produto no país com a cotação internacional e, por isso, a fuga de grãos continua: o Brasil exportou em 2019 o volume de 39 milhões de toneladas. Somente Santa Catarina – região altamente deficitária em milho – embarcou 335 mil toneladas este ano. Por outro lado, a seca que atinge o Paraná atrasará em 30 dias a colheita e a safrinha somente será colhida em julho.

    O presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, que também é vice-presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), já levou o assunto a Brasília.

    Na avaliação da entidade, a saída será ampliar as importações de milho da Argentina – que produz 50 milhões de toneladas e tem baixo consumo interno. Além disso, deve prosperar a chamada rota do milho, que ligará o oeste catarinense com a região produtora do Paraguai. Esse país-membro do Mercosul produz 5,5 milhões de tonelada, mas pode chegar a 15 milhões com o estímulo das importações brasileiras, acredita a Faesc.

    Barbieri assinalou que a redução no plantio em Santa Catarina e no Brasil está claramente detectada pela Faesc. “A situação será difícil em 2020 e já deve faltar milho no primeiro semestre. O cenário é preocupante porque, da demanda total, 96% destinam-se à nutrição animal, principalmente dos plantéis de aves e suínos”.

    Em Santa Catarina, o déficit de milho – que agora chegará a 4,5 milhões de toneladas/ano – é suprido pelas importações interestaduais de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná, além das importações da Argentina e Paraguai. A soja é a principal concorrente em área com o milho no Estado. A constante valorização do preço da soja e a forte oscilação nos preços do milho estimularam a conversão das áreas de milho para o plantio da soja, principalmente nas regiões oeste e meio-oeste. Desde 2012/2013 a área destinada às lavouras de milho-grão reduziu-se em mais de 150 mil hectares. Por outro lado, o crescimento da área cultivada para a produção de milho-silagem é outro fator que reduz a oferta de milho-grão para a suinocultura e a avicultura.

    Publicidade