Fórum de Cidades Digitais discute projetos para a Grande Florianópolis

    Municípios da região também receberam reconhecimento por projetos tecnológicos que ofereçam soluções aos cidadãos

    smartphone sobre uma mesa com um mapa de uma cidade na tela e pontos marcados
    Foto: Rede Cidade Digital/Divulgação

    Prefeitos e gestores públicos participaram nesta quinta-feira (6/12) do I Fórum de Cidades Digitais da Grande Florianópolis, encontro que trouxe soluções e informações para auxiliar os municípios a melhorar a eficiência da máquina pública através de investimentos em tecnologia.

    Para o vice-presidente de Tecnologia do Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina (Ciasc), Jean Carlo Vogel, as cidades precisam acelerar o processo de modernização, seguindo o exemplo de localidades mais avançadas como Barcelona, que conseguem gerar maior eficiência e qualidade através da aplicação de Inteligência em serviços como de mobilidade e infraestrutura.

    “Com o planejamento digital você tem todos os dados e consegue projetar, executando os serviços muito mais barato e rápido”, comentou Vogel.

    Publicidade

    Na busca por municípios inteligentes, o superintendente de Ciência, Tecnologia e Inovação de Florianópolis, Marcus Rocha, afirma que é preciso repensar as políticas públicas. “E para ser atrativa é preciso trabalhar no ecossistema de inovação”, ressalta. Na capital, segundo ele, o setor de tecnologia já é responsável pela maior parte da arrecadação municipal com 30% do total, seguido de serviços de Saúde e do Turismo. “Para atrair investimentos e talentos, a cidade tem que ser um bom lugar para se viver e fazer negócios”, observa o superintendente, que trouxe detalhes da Lei Municipal de Inovação, criada em 2012 para fomentar o desenvolvimento do setor.

    Projeto inovador

    Os municípios de Antônio Carlos, Biguaçu, Canelinha, Florianópolis, Palhoça e São José receberam o título de Projeto Inovador 2018, por iniciativas tecnológicas que estão impactando positivamente na vida pública.

    São eles: Sistema de Gestão Escolar, de Antônio Carlos; BiguáZap, de Biguaçu; Sistema Aprende Brasil, de Canelinha; Aplicativo para alunos com Dislexia, de Florianópolis; App GENI, de Palhoça; Central de Operações Integrada (COI), de São José; e Aponte Obras, de Tijucas.

    De acordo com a gerente de projetos da Rede Cidade Digital, Priscila Bortolozzo Ludke, o objetivo do reconhecimento, com base nas publicações oficiais das Prefeituras, é valorizar os prefeitos que entendem a importância do uso estratégico da tecnologia na gestão pública. “Realmente é um incentivo para continuarmos nesse caminho”, afirmou a prefeita de São José, Adeliana Dal Pont, homenageada pela Central de Videomonitoramento, criada há três anos na cidade.

    Segundo a prefeita, o investimento em tecnologia na segurança pública tem refletido na redução dos índices de criminalidade. Atualmente, são 250 câmeras utilizadas de forma integradas pelas forças de segurança do município. “Houve redução, somente neste ano, na questão de furto em 40% e de roubo em 20% no ano anterior. A inovação agora para esse momento é que conseguimos, juntamente com a Associação Comercial e Industrial da cidade, agregar as câmeras privadas, das empresas que queiram ceder essas imagens para o município. Por conta disso, acreditamos que irá melhorar ainda mais a situação de segurança do nosso município”, completou a prefeita.

    Cidades digitais

    Cidade Digital é um termo que passou a ser propagado, a princípio, por pequenos municípios que implantaram, com recursos próprios, sistemas para distribuição gratuita do sinal da internet.

    Neste sentido, alguns gestores públicos elaboraram projetos para submeter às câmaras de vereadores, requerendo autorização legislativa visando transformar os municípios, por meio de lei, no que chamaram de Cidades Digitais.

    Com o crescimento das iniciativas e necessidade de aportes, o Governo Federal passou a referir-se como Cidade Inteligente, adotando um conceito amplo e complexo do que inicialmente também chamava de Cidade Digital – criando, a propósito, programa específico para aplicar recursos em municípios brasileiros.

    Hoje, há investimentos das prefeituras que implantaram ou estão implantando a “sua” Cidade Digital, com o intuito de acessibilidade à internet.

    Publicidade