Gasolina vai ficar melhor e mais cara

    Principal mudança é a densidade da gasolina vendida no Brasil

    O padrão da gasolina automotiva consumida no Brasil terá aumento de qualidade obrigatório em 3 de agosto deste ano. A partir das mudanças, os motoristas devem obter desempenho maior dos veículos, e a fiscalização terá mais facilidade de identificar adulterações. Mas a qualidade maior também pode ter impacto no preço.

    A mudança se deve à Resolução nº 807/2020, publicada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis em janeiro (ANP).

    homem segura bico de bomba de combustível dentro de abertura de combustível na lateral de carro
    Tomaz Silva/Agência Brasil/Divulgação/CSC

    A partir de 3 de agosto, 100% da gasolina comprada pelas distribuidoras precisarão atender às especificações. Essas empresas terão 60 dias para vender os produtos que foram comprados antes e não atendem às exigências. Da mesma forma, os postos de gasolina terão 90 dias, a partir de 3 de agosto, para vender os produtos que receberam antes de as especificações se tornarem obrigatórias.

    Publicidade

    Uma das principais mudanças é o estabelecimento de um limite mínimo de massa específica para a gasolina automotiva. A partir de agosto, a gasolina vendida às distribuidoras precisará ter 715 quilos por m³. Antes, os fornecedores só precisavam informar os valores desse parâmetro, e a ausência de um limite mínimo fazia com que a gasolina vendida no Brasil fosse menos densa que a de outros mercados.

    A gasolina mais densa tem mais energia disponível para ser convertida no momento da combustão, e isso fará com que os veículos sejam capazes de circular mais com menos combustível. A redução do consumo poderá ser de 4% a 6%, estimam os estudos que embasaram a mudança publicada pela ANP.

    Haverá também aumento obrigatório da octanagem, em janeiro de 2022, e especificações da faixa com limite máximo e mínimo de temperatura para uma evaporação de 50% da gasolina.

    As mudanças devem significar um aumento de eficiência do motor e, consequentemente, um aumento no preço. A estimativa de aumento no valor ainda não foi divulgada pela ANP, mas técnicos afirmam que poderá haver uma compensação com o ganho de eficiência, uma vez que os veículos poderão consumir menos combustível com uma gasolina melhor.

    Publicidade

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here