Governo apresenta plano de vacinação dos profissionais da educação de SC

    A proposta considera critérios de prioridade para a vacinação dos profissionais com maior risco de contágio de Covid-19. Ainda não há uma previsão de início da imunização nesse grupo

    Em uma mesa grande, três pessoas sentadas, separadas por uma cadeira entre cada um, todos usam máscaras. Essa foi a reunião que chegou ao plano de vacinação nos profissionais da educação de SC.
    A proposta organiza a sequência da vacinação no grupo de trabalhadores da educação, mas ainda não há previsão de início - Gabriel Duwe de Lima/SED/SC/Diuvlgação/CSC

    A Secretaria de Educação de Santa Catarina (SED) apresentou nesta terça-feira (20/4) a proposta do plano de vacinação para profissionais da educação do estado. A apresentação foi realizada pela SED e integrantes do comitê estratégico de retomada das aulas presenciais para  representantes dos municípios e para sindicatos da categoria. A proposta considera critérios de prioridade para a vacinação dos profissionais com maior risco de contágio de Covid-19. Ainda não há uma previsão de início da imunização nesse grupo.

    A população estimada de trabalhadores da educação básica a serem vacinados é de 113.232 pessoas e na educação superior é de 31.956. Esses são os 17º e 18º grupos prioritários da vacina contra a Covid-19, de acordo com o plano estadual de imunização. Antes deles, serão vacinados os grupos de pessoas com comorbidades, com deficiência permanente grave, pessoas em situação de rua, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional.

    Planejamento

    Publicidade

    Apesar de ainda não haver data para o início da imunização dos profissionais da educação, o plano define o processo para o início da vacinação. A proposta considera a existência de áreas de atuação que estão mais expostas ao contágio pela Covid-19 devido à dificuldade da utilização de máscaras e à prática do distanciamento social, como as turmas de educação infantil. O plano considera a maior vulnerabilidade dos profissionais atuando nas modalidades de ensino presencial ou mista.

    1º grupo – Profissionais que atuam no atendimento presencial

    – Educação infantil (professores e auxiliares);
    – Educação especial;
    – Equipe técnica, administrativa e pedagógica (Gestão, limpeza, alimentação, orientadores de convivência);
    – Ensino fundamental (professor, segundo professor, auxiliares, intérpretes de Libras);
    – Ensino médio (professor, segundo professor, auxiliares, intérpretes de Libras);
    – Ensino superior.

    2º grupo – Profissionais que atuam em atividade remota (segue a ordem das etapas de ensino da vacinação do 1º grupo)

    – Profissionais que são do grupo de risco para a Covid-19;
    – Profissionais que atuam em atividade remota, EAD ou similares.

    Para organizar a vacinação, o comitê desenvolveu um formulário para a coleta dos dados dos profissionais que atuam nas instituições das diversas etapas de ensino. O arquivo será disponibilizado para o setor responsável em âmbito municipal e a estimativa é que o cadastramento inicie a partir de 26 de abril, sendo concluído em alguns dias para seguir o planejamento das ações. Após a coleta, a equipe deve organizar as respostas de acordo com a sequência estabelecida pelo plano, encaminhando a quantidade total de cada grupo.

    Participaram das reuniões representantes da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam), da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime-SC), Sindicato das Escolas Particulares de Santa Catarina (Sinepe), Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina (Sinte), Federação dos Trabalhadores Municipais de Santa Catarina (Fetram) e Federação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Santa Catarina (Feteesc).

    Publicidade