Novos contratos em 2020 deverão aumentar em 12% a tarifa de gás natural em SC

    instalação de pequeno gasotudo próxima a uma rua residencial
    Contratos de compra do gás natural com a Bolívia e de distribuição pela Petrobras acabam em março de 2020 em SC; novos acordos deverão ajustar tarifas para cima - Divulgação/CSC

    A SCGás, companhia estatal responsável pela distribuição de gás natural no estado, está com chamada pública aberta para renovar os contratos de suprimento até março de 2020. Com os novos acordos, a previsão é de que haja ao menos 12% de elevação na tarifa do gás em Santa Catarina, aplicados 4% em janeiro e 8% em julho.

    A informação já havia sido antecipada em seminário na Fiesc em 18 de outubro. O percentual de reajuste real será calculado após a conclusão da chamada pública da SCGás, com a definição dos fornecedores. Na última fase de escolha concorrem as empresas Petrobras, Shell, Total e YPFB. O fornecimento do insumo continuará a ser da Bolívia, através do gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol).

    Nesta quarta-feira (23/10), a SCGás fez novo evento na Fiesc para informar ao mercado industrial quais as perspectivas desse setor energético e para dar transparência ao processo de renovação de contrato. Na oportunidade também foi lançada a frente parlamentar do gás natural da Alesc.

    Demandas da indústria catarinense
    Publicidade

    Segundo Otmar Müller, presidente da câmara de assuntos de energia da Fiesc, as principais demandas da indústria catarinense com o gás natural são a modicidade tarifária, alternativas de fornecimento e transporte e melhoria na regulação de distribuição do insumo.

    Em sua apresentação, Müller lembrou que o preço do gás no Brasil está entre os mais caros do mundo – em média US$ 12 (MMBTU) contra US$ 3,13 (MMBTU) nos Estados Unidos, US$ 7 (MMBTU) no México e US$ 6,62 (MMBTU) em parte da Europa, comparou. “Estamos muito deslocados em relação ao custo do mercado internacional de gás”, disse, lembrando que o país vive um momento histórico, com a abertura desse mercado para torná-lo mais competitivo.

    O deputado estadual Luiz Fernando Vampiro (MDB), coordenador dessa nova frente, diz que com a quebra do monopólio da Petrobras, com alternativa para entrega do produto, uma série de fatores deverão ser acompanhados pelos membros da frente parlamentar. “Não há dúvida alguma que o gás tem se tornado uma matriz energética forte em Santa Catarina, onde, por exemplo, somente para o setor cerâmico, representa quase 30% do custo, então é um vetor econômico importante, que utiliza uma energia limpa, de alta qualidade, de potencial energético, por isso temos que fazer essa integração”.

    Os representantes da Fiesc salientam que o aumento desse custo do gás para indústria pode significar um impacto direto no preço dos produtos em até 25%.

    “A frente parlamentar é muito importante, especialmente num momento em que as regras do setor no país estão mudando, com a abertura do mercado. Para isso, é importante termos segurança regulatória e jurídica e regras do jogo bem colocadas. Sem segurança jurídica e regulatória não há investimento. E a frente parlamentar tem muito a contribuir no sentido de fixar boas regras para o desenvolvimento desse setor”, declarou o presidente da SC Gás, Willian Anderson Lehmkuhl.

    Atualmente a SCGás atende 62 municípios catarinenses. Nos planos de expansão da companhia para os próximos cinco anos estão novos gasodutos para alcançar e abastecer Lages, Guabiruba, Sombrio e ampliar a rede na capital na região dos bairros Itacorubi e João Paulo.

    Publicidade