Santa Catarina tem 22,8% de área remanescente de Mata Atlântica

    Estado é o quarto em ranking de área de mata derrubada entre 2019 e 20

    Entre 2019 e 2020, Santa Catarina desmatou 887 hectares de Mata Atlântica, o que equivale a 1.250 campos de futebol, deixando o estado com índice de 22,8% de área remanescente. Os números apontam que SC passou de 5º para 4º no ranking de desmatamento dos 17 estados que abrigam o bioma. Os dados são do estudo Atlas da Mata Atlântica divulgado na em 26 de maio, dia nacional da Mata Atlântica. Neste sábado (5/6) também é comemorado o Dia Internacional do Meio Ambiente.

    mapa de santa catarina mostrado os remanescentes de mata atlântica
    Remanescentes de Mata Atlântica em SC somam apenas 22,8%; estado foi o 4º que mais desmatou entre 19 e 20 – SOS Mata Atlântica/Divulgação/CSC

    O Atlas mostra que, em relação ao ano anterior, 10 estados com Mata Atlântica tiveram crescimento no desmatamento, que foi de 13.053 hectares no total. O líder em desmatamento do bioma no período do estudo é Minas Gerais, com 4.701 hectares. Em seguida, aparecem Bahia (3.230), Paraná (2.151), Santa Catarina (887), Mato Grosso do Sul (851). Os cinco juntos acumulam 91% das perdas de vegetação da mata.

    Em contrapartida, os estados de Alagoas, Ceará, Goiás, Espírito Santo, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte tiveram o chamado desmatamento zero, quando as áreas perdidas não passam de 100 hectares.

    O bioma em SC
    Publicidade

    Os números do desmatamento no último ano em Santa Catarina são o segundo maior registro da década, atrás apenas do período de 2017-2018, quando 905 hectares foram perdidos em SC. O estudo, realizado desde os anos 80, mostra índices de desmatamento ainda maiores nas décadas passadas. No período de 1985 a 1990, por exemplo, Santa Catarina perdeu 99.412 hectares de Mata Atlântica. A título de comparação, de 2015 a 2020, foram 3.943. Ainda assim, os pesquisadores da fundação SOS Mata Atlântica destacam a importância de intensificar as ações de preservação do bioma.

    “No que se refere à Mata Atlântica, 13 mil hectares é muito, porque se trata de uma área onde qualquer perda impacta imensamente a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos, como regulação do clima e disponibilidade e qualidade da água”, afirma Luís Fernando Guedes Pinto, diretor de conhecimento da fundação SOS Mata Atlântica.

    No estado, o bioma é composto por florestas, mangues e restingas, com 2.183.862 hectares de Mata Atlântica remanescente, o que representa 22,8% de mata remanescente (atrás apenas do Piauí, que tem 33,8%). Um levantamento do Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina (IFFSC) aponta que as florestas catarinenses estão empobrecidas devido às constantes intervenções humanas, como a exploração de madeira, roçadas e o pastoreio de bovinos. Outros fatores como ocupação urbana e disseminação de espécies exóticas invasoras também prejudicam o bioma, como indica o IMA.

    área de mata no parque do tabuleiro
    Parque do Tabuleiro: maior UC do estado, garante água para a Grande Florianópolis – Lucas Cervenka/CSC
    Fiscalização

    Nesta sexta-feira (4/6), o Instituto do Meio Ambiente (IMA) lança o Sistema Integrado de Monitoramento e Alertas de Desmatamento Abrindo (SIMAD), que detecta, registra e gera alertas precisos de desmatamento, utilizando imagens de satélite para comparar locais em diferentes períodos, mostrando o histórico da vegetação. Além disso, a ferramenta faz o cruzamento com bancos de dados de sistemas do IMA como de licenciamento, autos de infração, Cadastro Ambiental Rural (CAR) e espaços territoriais especialmente protegidos (APP, Reserva Legal, unidades de conservação), entre outras camadas. Em caso de supressão de vegetação, a ferramenta verifica se foi legal com autorização de corte ou se é clandestina.

    Diferente de outros métodos utilizados para verificar o desmatamento, o SIMAD gera informações mais exatas por meio de um filtro aprimorado que faz uso de dados atualizados de programas do IMA, com melhor escala de mapeamento. Outro diferencial é a capacidade de atualização a cada 16 dias para um ponto específico, e semanal para, pelo menos, uma região de Santa Catarina. De acordo com o diretor de engenharia e qualidade ambiental do IMA, Fábio Castagna da Silva, o novo sistema traz mais celeridade na repressão de crimes ambientais, pois o processamento dos alertas é realizado no próprio órgão logo após a disponibilização das imagens de satélite.

    Já no âmbito do Ministério Público de Santa Catarina, até 2020, o órgão contabilizava 380 procedimentos extrajudiciais e processos judiciais envolvendo a Mata Atlântica, entre ações civis públicas, inquéritos civis, termos de compromisso de ajustamento de conduta e recomendações.

    Mata Atlântica

    Com o alto patamar de perdas da vegetação nativa, a Mata Atlântica está em grau elevado de ameaça e risco, com apenas 12,4% de sua cobertura original. Presente em 17 estados, o bioma tem uma grande variedade de espécies de plantas e de animais, além de representar 80% da economia brasileira, abrigando serviços como agricultura, abastecimento de água e energia elétrica.

    O bioma é considerado patrimônio nacional pela constituição federal e é protegido pela lei da Mata Atlântica 11.428/2006, que estabelece regras para exploração econômica, proíbe desmatamento de florestas primárias, cria incentivos financeiros para restauração do ecossistema, entre outras atribuições.

    Por Ana Ritti – redacao@correiosc.com.br

    Publicidade