São José: uma breve história dos 269 anos

Cidade faz aniversário nesta terça-feira, 19 de março

imagem aérea da cidade mostrando grande concentração de prédios e construções, com a orla marítima do centro histórico ao centro
A cidade é hoje a quinta maior economia catarinense - Foto: Divulgação/CSC

Até meados do Século XIX, São José cresceu isolada. Além do distrito Sede, criado em 1833, tinha outro núcleo urbano populoso que era o distrito de João Pessoa, que depois foi incorporado por Florianópolis e transformado no bairro do Estreito, em 1943.

Nessa época, havia em São José a Casa de Câmara e Cadeia, sobrados, o Theatro Adolpho Mello e o atracadouro de barcos no trapiche do Centro. O local era bastante utilizado para abastecer com potes de barro a região nos séculos XVIII e XIX, além da produção agrícola, pesca, serraria e matadouro.

As ondas imigratórias começaram em 1829 com os alemães e mais tarde com italianos, árabes, franceses e espanhóis. No ano de 1840 cerca de 21% da população, de 10.419 habitantes, era de escravos.

Publicidade

Já o Século XX foi marcado pelo fim das atividades portuárias e um período de declínio. O transporte marítimo foi abandonado e passou a predominar o transporte rodoviário, dirigido para o aterro da Baia Sul, em Florianópolis, com a construção da ponte Hercílio Luz, em 1926.

Na década de 30 as linhas diretas de ônibus e de transporte rodoviários fizeram com que São José perdesse importância como entreposto comercial e assim perdurou um processo gradativo de estagnação econômica.

O ÊXODO PARA SÃO JOSÉ

Foi a partir da década de 1950 que a cidade começou a viver uma grande atividade imobiliária, com invasões, loteamentos clandestinos e localização de população de baixa renda composta por muitos imigrantes, sem investimento de infraestrutura e serviços urbanos.

Esse quadro se repetiu nas décadas de 60 e 70, com o incremento da migração rural-urbana, das ocupações clandestinas e ocorrência de transbordamento da população de baixa renda para o município.

Em 1960, São José possuía 31.192 habitantes e, a partir de 1970, a cidade tornou-se polo receptivo do êxodo rural para a Grande Florianópolis. Em 1970, São José já possuía 42.235 habitantes. Passou a receber a alcunha de “cidade dormitório”.

Com expansão urbana ao longo da BR-101 (concluída em 1971), São José foi definida para sediar os distritos industriais da área conurbada. Era o reinício econômico do município.

A economia passou a crescer, incrementada pela facilidade de acesso rodoviário, incentivos fiscais, mão de obra barata e legislações restritivas a indústrias na Ilha. Em cinco anos, de 1970 a 1975, houve aumento de 21,24% nas atividades industriais.

CRESCIMENTO

Em 1977 foi construído o Kobrasol – área onde funcionava o Aeroclube de SC – possibilitando expansão imobiliária mais ordenada.

Até 1980, o perfil do município era residencial, com grande fluxo de mão de obra de baixa renda. A partir de 1990 houve um crescimento da classe média e a expansão da oferta de imóveis, iniciando o processo de verticalização da cidade, mais acentuado ainda na primeira década do Século XXI e que ainda permanece.

Nos últimos 30 anos, a cidade passou a ter uma mão de obra mais qualificada e incremento da qualidade de vida.

São José é, hoje, o 4º município em população e 5ª economia de Santa Catarina em relação ao PIB, de acordo com o IBGE. É uma cidade dinâmica, com forte crescimento e cada vez mais importante no contexto catarinense e nacional.

Em 2018 a estimativa era de 242.927 habitantes.

Publicidade