Três pontos analisados na Beira-mar estão próprios para banho nessa semana

bolsão da casan com a ura no meio visto em foto aérea e prédios ao fundo e avenida
A Unidade de Recuperação Ambiental (URA) da Beira-mar Norte pode ser ajudada pelos períodos de seca - Casan/Divulgação/CSC

A população da Grande Florianópolis quer ver a praia da Beira-mar Norte própria para banho e uma eficiência na operação da estação de tratamento de esgoto implementada no local pela Casan para tal fim, ao custo de R$ 18 milhões. Até agora, os resultados não convenceram.

Nessa semana o relatório do IMA (Instituto do Meio Ambiente de SC) mostra que os três pontos aferidos em parte da orla estão próprios para banho: em frente ao monumento da Polícia Militar, no “bolsão da Casan” (ponto 11), em frente à Praça Esteves Junior (ponto 94) e em frente à Rua Altamiro Guimarães (ponto 95). Os resultados, respectivamente, são de 75, 41 e 146 Escherichia coli – ou coliformes fecais – por 100 mililitros de água, quando o limite é 800.

O local já chegou há alguns meses na condição de próprio para banho, mas voltou a ficar impróprio em outros períodos, com picos de coliformes fecais, indicando que ainda há muito esgoto sendo lançado no mar.

IMA diz que é necessário mais prazo
Publicidade

De acordo com o gerente de laboratório e medidas ambientais do IMA, Marlon Daniel da Silva, é necessário ter uma série de dados maior para que os resultados sejam mais robustos. “Se correr o histórico, a tendência do ponto 11 é ser impróprio. Com a intervenção da Casan na tubulação e tratamento na URA agora temos novas condições, mas é necessário passar por todos os cenários das estações ao longo do ano, de chuvas e estiagens, para que a gente tenha a mesma certeza da propriedade balneável que tinha com a impropriedade”, diz em entrevista ao telefone.

Silva explica que o período de estiagem pode contribuir para a qualidade da água na Beira-mar Norte, isso porque tudo o que chega pela tubulação pluvial à estação de tratamento é somente o esgoto clandestino quando não chove. Dessa forma, a unidade consegue trabalhar dentro de sua capacidade. Essa condição de seca pode ser também o que explica, por exemplo, a condição balneável na praia de Guararema, em São José, ponto historicamente sujo. Nessa semana o resultado próprio no local se repetiu, com 536 E.Coli/100ml.

Fiscalização continua

Depois de pronta a estação de tratamento, inaugurada em março de 2019, aos poucos a fiscalização da prefeitura de Florianópolis percebeu que a região das ruas adjacentes à Av. Beira-mar Norte é praticamente toda irregular. Em último relatório, a prefeitura informou que a quantidade de ligações clandestinas de esgoto, isto é, na rede pluvial, chega a 96% na região. Nesse sentido, o poder municipal junto com a Casan, no programa intitulado “Se liga na rede”, tenta regularizar todas essas ligações, para que haja o reflexo da balneabilidade permanente na baía da Beira-mar. No início dessa semana, um prédio da rua Alves de Brito foi multado pelo crime ambiental de ligar o esgoto na rede de coleta de água da chuva;

Publicidade