Celesc, Cidasc, Tribunal de Justiça e Polícia Civil relatam golpes em seus nomes

Estelionato em alta: instituições de SC alertam sobre golpes

Vigilância Epidemiológica: Pessoa mexendo no celular
Divulgação/CSC

De estelionatário a sociedade está cheia. São homens e mulheres praticando fraudes em todos os segmentos, sempre de modo a roubar de alguma maneira a vítima, na maioria das vezes extraindo dinheiro.

Nos últimos anos, porém, os golpistas vêm utilizando os nomes das instituições na tentativa de dar mais credibilidade à narrativa mentirosa. Não é raro receber nas redações comunicado de empresa pública, poder constituído ou algum órgão alertando sobre as ocorrências utilizando os nomes jurídicos.

Na última semana, por exemplo, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina, a Celesc e a Cidasc alertaram sobre golpes envolvendo seus nomes. No final de abril a própria Polícia Civil, que investiga os casos de estelionato, emitiu nota a respeito de golpe dado por falsos delegados.

Publicidade

No caso da Celesc foram relatados três novos golpes, em diferentes regiões do estado. Em São José, uma vítima recebeu um boleto por e-mail, nominal à Celesc, que deveria ser pago em cooperativa de crédito para, supostamente, custear o cancelamento de protesto de títulos por inadimplência, assim como retirar o CPF de órgãos de proteção ao crédito.

Golpes em nome do TJSC

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina relata que há um golpe, em curso, que usa um ataque cibernético do tipo phishing, no qual são enviados e-mails falsos com links apontando para algum tipo de software malicioso utilizado para obter acesso à máquina ou aos dados do usuário. Segundo a Softplan, desenvolvedora do SAJ (sistema de processos da justiça catarinense), o sistema de cadastro de pedidos de certidões do portal e-SAJ não envia por e-mail quaisquer informações de processos, valores de custas e links para acesso a boleto de pagamento e que o endereço de e-mail “@saj.jus.br” é falso.

Nas últimas semanas de abril o TJSC também voltou a tomar conhecimento de estelionatário que passa por magistrado estadual ou federal e solicita a servidores municipais de prefeituras e secretarias que seja realizado o serviço de transporte mediante pagamento, pois teria chegado recentemente à cidade e gostaria de se deslocar ao fórum, fazer diligências ou conhecer a localidade.

Já a Cidasc soube que há produtores rurais no estado sendo visitados por supostos funcionários da companhia que os multam pela alguma alegada realização de evento irregular e querem receber, na hora, o valor em dinheiro.

Canais oficiais para contato

Como os estelionatários são pessoas antiéticas, dificilmente vão parar de aplicar os golpes, mesmo prejudicando vítimas com poucos recursos ou roubando dinheiro público.

Os órgãos e companhias estatais que têm seus nomes utilizados para a aplicação dos golpes constantemente informam que a orientação é, além de desconfiar dessas tentativas ilegais de cobrança, manter contato pelos canais oficiais, como site, telefone ou locais de atendimento presencial.

Publicidade