Estado alocará alunos em espaços privados enquanto unidades da Grande Florianópolis estão em obras

    Em cerimônia de entrega de aparelhos eletrônicos aos profissionais de educação do estado, nesta terça (21), o governador Carlos Moisés afirmou que “é apenas o início da valorização dos professores”. Ao Correio, o secretário de estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, falou sobre a retomada das aulas totalmente presenciais no próximo ano e a possibilidade de alocar alunos de escolas em reforma em espaços privados.

    A cerimônia, no Centro Multiuso de São José, teve a presença de profissionais do magistério de cidades da Grande Florianópolis para que cada um recebesse um tablet ou notebook. Foram entregues 1.473 notebooks para professores e gestores da rede estadual e 4.570 tablets para escolas da Grande Florianópolis. O investimento, estadual, é de R$ 10 milhões. No total, serão entregues 36 mil tablets às escolas da rede estadual de ensino de Santa Catarina. Até o momento já foram entregues cerca de 13,4 mil.

    O governador destacou que nunca um governo de SC investiu tanto na educação, como o aumento dos salários dos professores, com remuneração mínima de R$ 5 mil para os profissionais de educação que trabalham 40 horas semanais. “Estamos corrigindo também a progressão de carreira. Sabemos que não conseguimos todos os avanços que a categoria defende. Precisamos de mais tempo, mas estamos aos poucos recompondo a defasagem histórica e valorizando a educação como nenhum outro governo fez”, disse Moisés, que completou afirmando que “esse é só o princípio da valorização da educação de Santa Catarina”.

    Publicidade

    Já o secretário de Educação falou que desafia a qualquer um para um debate que as pautas da educação que estavam travadas há 40 anos no estado evoluíram muito nos últimos anos. “Esse governo não prometeu nada, prometeu que ia fazer uma gestão séria”. Alguns sindicalistas protestaram contra o secretário e o governador.

    Mais de 1,4 mil professores estaduais da Grande Florianópolis receberam notebooks nesta terça – Lucas Cervenka/CSC

    + Governo de SC vai pagar R$ 6,2 mil para estudantes permanecerem na escola
    + Estado pretende distribuir absorventes para 27,7 mil alunas em SC
    + Magistério estadual ganha 20% de aumento mínimo

    Volta às aulas em 2022

    Correio de SC – O que essa entrega de eletrônicos representa para o retorno totalmente presencial no ano que vem?
    Luiz Fernando Vampiro – é uma ação importante que estamos fazendo, algo que precisamos consolidar. Lugar de criança, dos alunos, é na escola. Nós entendemos que os nossos índices de contaminação na comunidade escolar foram muito pequenos mesmo no momento muito grave da pandemia no Brasil. Isso mostra que lugar de criança, adolescente, jovem é na escola. Diante desse fato nós entendemos que as medidas sanitárias se encontram vigentes em Santa Catarina nós podemos ter aula de forma presencial.

    Correio SC – Aqui na região da Grande Florianópolis há escolas que estão em reforma e que estão para reabrir. Para o ano que vem há perspectiva de quantas estarão prontas?
    Vampiro – nós temos problemas graves de estrutura em algumas unidades. Em relação a esse processo há empresas que abandonaram, reajuste de preço, etc. Então nós estamos com uma força-tar
    efa, inclusive colocação de espaços privados para contemplar enquanto a escola não fica pronta. Vai ser uma ação que nós vamos fazer intensa em janeiro para que a gente possa em fevereiro fazer esse tipo de ação.

    Segundo a Secretaria de Educação, a alocação de estudantes da rede estadual já ocorrem em todo o estado em algumas unidades que estão em obras. Como em 2022 o retorno será totalmente presencial, estudantes de escolas em obras ou com problemas de infraestrutura precisarão ser realocados para espaços que serão alugados.

    Esse é o caso das escolas na Grande Florianópolis EEB José Mathias Zimmermann, em São José; EEB Nossa Senhora, em Angelina; EEB Intendente José Fernandes (com reforma em dois anexos), em Florianópolis; e algumas salas da EEB Emérita Duarte Silva e Souza, Biguaçu.

    Por Lucas Cervenka – reportagem@correiosc.com.br

    Publicidade