Estiagem reduz principal captação de água da Grande Florianópolis em 30%

    Com abastecimento prejudicado, Casan pede por economia no uso da água

    captacao de agua rio vargem do braco santo amaro afluente piloes estiagem - foto casan
    Rio Vargem do Braço, em Santo Amaro da Imperatriz, é o principal manancial que abastece a região metropolitana e está com o leito aparente, devido às poucas chuvas de julho - Foto: Casan/Divulgação/CSC

    Julho foi um mês de poucas chuvas e estiagem já reduz no momento 30% da captação de água no principal manancial que abastece a Grande Florianópolis. O rio Vargem do Braço, em Santo Amaro da Imperatriz, deveria apresentar, em dias normais, uma média de 20 centímetros de água sobre o vertedouro. No momento a Casan informa que a estrutura de captação de água e o leito do rio estão aparentes e faz um pedido de racionalização.

    A redução na captação está prejudicando o abastecimento em diversos bairro de São José, Palhoça, Biguaçu e a parte continental de Florianópolis e a situação tende a se agravar com a previsão de menos chuvas em agosto.

    “Hoje já temos baixa pressão nas redes de distribuição e dificuldade para fazer a água chegar nas chamadas pontas de redes e locais mais altos do sistema. Por esse motivo, pedimos a colaboração das pessoas para evitarem lavação de calçadas e de carros”, diz Pedro Joel Horstmann, superintendente da Região Metropolitana da Casan, lembrando que fechar a torneira ao escovar os dentes e lavar a louça também são hábitos simples que podem ajudar.

    Publicidade

    Horstmann explica que a variação de pressão nas redes de distribuição também leva a mais vazamentos e que a companhia está com mais equipes nas ruas fazendo reparos. “A água tem um caminho a percorrer, e se já temos baixa pressão, o consumo em atividades que não são essenciais faz com que seja mais difícil manter o abastecimento”, reforça o superintendente.

    Dicas de uso responsável da água 

    Desde a semana passada a Casan já tinha iniciado os alertas para economia de uso da água. A companhia divulga algumas dicas de como fazer um consumo de forma mais responsável:

    • tomar banhos mais breves;
    • fechar a torneira ao escovar os dentes e ao fazer a barba;
    • não lavar a louça com água corrente (passar rapidamente água nas louças, ensaboe os pratos e utensílios, abrir a torneira penas para enxaguar);
    • não lavar roupa com água corrente;
    • só ligar máquina de lavar louça ou a de lavar roupa com capacidade total, pois o consumo é igual se ela não estiver cheia;
    • não use água como vassoura – em calçadas e áreas pavimentadas, primeiro varrer a sujeira, depois lavar com a utilização de um balde;
    • não usar mangueira, mas balde e pano para lavar o carro – em épocas de estiagem, como agora, evitar lavar seu automóvel;
    • reaproveitar a água usada na lavação de roupas para outros fins, como lavar calçadas;
    • não jogar água nas ruas (água não é pavimentação);
    • regular a válvula de descarga, cuidado que pode reduzir o consumo pela metade.

    O Sistema Integrado da Grande Florianópolis atende a região Continental, Central e Bacia do Itacorubi, além de São José, Biguaçu, Santo Amaro e Palhoça. Florianópolis tem também captação, tratamento e distribuição de água pelo Sistema Costa Norte (com captação no Aquífero dos Ingleses, para abastecimento dos balneários do Norte da Ilha) e pelo Sistema Costa Sul-Leste (com captação na Lagoa do Peri, para fornecimento de água do Pantanal à Barra da Lagoa). Por enquanto esses sistemas não apresentam problemas com a estiagem.

    Publicidade