Justiça determina internação provisória de adolescente que teria matado menina de 14 anos

O crime ocorreu no dia 8 de fevereiro e o corpo foi encontrado três dias depois amarrado a uma árvore, em Campo Belo do Sul

A justiça atendeu ao pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e determinou a internação provisória por 45 dias do adolescente de 15 anos que teria matado a adolescente Ana Kemilli, de 14 anos, em Campo Belo do Sul, na serra catarinense. O crime teria ocorrido no dia 8 de fevereiro e o corpo da vítima foi encontrado três dias depois.

Na representação apresentada à justiça, o Promotor de Justiça Guilherme Back Locks descreve a forma como o crime teria sido cometido pelo adolescente, por estrangulamento. Devido à gravidade do ato infracional, equiparado ao crime de matar alguém com emprego de meio insidioso ou cruel, Locks pediu a medida socioeducativa mais adequada à situação.

A internação provisória ocorre quando ainda não há uma sentença definitiva e a liberdade do adolescente infrator põe em risco as investigações e o processo, pode interferir na coleta de provas físicas e testemunhais e até ameaça a própria segurança do infrator, pois o caso provocou grande comoção e revolta. 45 dias é o tempo máximo de internação de um adolescente infrator sem sentença definitiva, pois é o prazo limite para a conclusão do processo.

Publicidade

O caso

A adolescente Ana Kemilli, de 14 anos, desapareceu no dia 8 de fevereiro em Campo Belo do Sul no trajeto de volta para casa depois de se encontrar com duas amigas, por voltas das 16 horas. O corpo dela foi encontrado na noite do dia 11 amarrado em uma árvore em área de mata, sem sinais aparentes de violência ou violência sexual.

Um adolescente de 15 anos, que morava próximo à vítima, desapareceu um dia depois dela, o que levou a polícia a investigar o envolvimento dele no caso. No dia 11, a família do rapaz procurou a polícia para informar que o adolescente tinha aparecido e então ele se apresentou e declarou participação na morte de Ana Kemilli. Há a suspeita de participação de outras pessoas no crime.

Publicidade