Polícia Civil faz buscas de provas em 12 municípios no caso dos respiradores superfaturados

0
policiais homens e mulheres reunidos em pé em auditório usando uniformes da pc antes do início da operação
Operação Oxigênio: 100 policias de SC fazem buscas em 12 municípios por provas do caso da compra de 200 respiradores superfaturados por R$ 33 milhões - PC/Divulgação/CSC

Na manhã deste sábado (9/5), a força-tarefa composta pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e pela Polícia Civil desencadeou a Operação O2 (oxigênio).

A operação ocorre em 12 municípios e envolve aproximadamente 100 policiais civis (Geaco e Deic), militares e rodoviários federais de Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo e Mato Grosso. O grupo cumpre 35 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens em quatro estados da federação.

A força-tarefa investiga crimes contra administração pública em processo de dispensa de licitação para aquisição emergencial de 200 ventiladores pulmonares, a fim de auxiliar no enfrentamento da Covid-19, ao custo de R$ 33 milhões pagos de forma antecipada, sem a exigência de qualquer garantia e sem as mínimas cautelas quanto a verificação da idoneidade e da capacidade da empresa vendedora.

Publicidade

Segundo a Polícia Civil, as investigações, até o momento, identificaram fraude no processo de aquisição dos respiradores, mediante um sofisticado esquema criminoso que envolveu a corrupção de agentes públicos, falsidade ideológica em documentos oficiais, criação de empresas de fachada administradas por interpostas pessoas e lavagem de dinheiro.

Ainda conforme a PC, foi a integração do trabalho de investigação com o MPSC que permitiu uma rapidez na coleta de provas iniciais e formulação dos pedidos de busca e apreensão. As apurações, até o presente momento, contaram com a colaboração dos órgãos públicos vinculados ao governo do estado.

Também colaboram com as investigações a Polícia Civil do RJ, Ministério Público do RJ, de SP e do MT e o Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina, além da corregedoria do Corpo de Bombeiros Militar de SC.

Detalhes da investigação permanecem sob sigilo.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here