Programa Ciclo já distribuiu mais de 10 mil absorventes em Palhoça

Projeto existe no município desde dezembro de 2020. Foto: Divulgação

O programa Ciclo, destinado a combater a chamada pobreza menstrual, já fez a distribuição gratuita de mais de 10 mil absorventes a mulheres palhocenses.

O programa existe desde dezembro de 2020. O sucesso foi tão grande que a Prefeitura de Palhoça resolveu ampliar as ações. Além da distribuição de produtos de higiene íntima, disponíveis em todas as unidades básicas de saúde, foi lançado, em setembro, o eixo “Ciclo nas Escolas”, que vai levar informação a alunas do 5º ao 9º ano da rede municipal de ensino, com foco na saúde e na higiene feminina e na educação menstrual. “Programas sociais como o Ciclo são iniciativas que nos emocionam, como gestores, porque nós percebemos o quanto eles fazem a diferença na vida das pessoas”, comenta o prefeito Eduardo Freccia.

Segundo a prefeitura, a situação da pobreza menstrual no Brasil é de cerca de 1,5 milhão de brasileiras que vivem em residências sem banheiro; uma em cada 10 meninas perde aula quando menstrua; cada aluna perde em média 45 dias de aula no ano letivo por conta do período menstrual; uma mulher gasta entre R$ 3 mil e R$ 8 mil, ao longo de sua vida menstrual, com absorventes.

Publicidade

Diante desse cenário, o programa Ciclo foi estabelecido com a missão de levar informações ao público-alvo e fornecer kits de higiene íntima às mulheres e adolescentes em situação de vulnerabilidade financeira do município.

A ideia partiu do ex-prefeito Camilo Martins, que, durante uma viagem internacional, leu um artigo que falava sobre pobreza menstrual. Sensibilizado, Camilo encomendou a criação do programa aos profissionais do Palhoça Lab, laboratório de inovação mantido pela Prefeitura.

Primeiro, o Ciclo funcionou como uma espécie de piloto, em três unidades básicas de saúde (UBS) especialmente selecionadas. Depois, o projeto se expandiu e hoje os produtos de higiene íntima são distribuídos em todas as UBS do município. Agora, foi iniciada a nova fase do programa, o Ciclo nas Escolas.

O eixo Ciclo nas Escolas prevê: a realização de palestras para capacitação dos profissionais da educação da rede municipal sobre a temática, com o objetivo de fornecer informações importantes para entender, ajudar e acolher as alunas durante o período menstrual; a realização de palestras para alunas da rede municipal de ensino (do 5º ao 9º ano escolar, com idades entre 10 e 15 anos) sobre higiene feminina e educação menstrual, com a intenção de disseminar assuntos básicos e necessários, relacionados à saúde; o combate à pobreza menstrual nas escolas, por meio da disseminação de informações sobre o período menstrual e da distribuição de kits de absorventes higiênicos femininos (diurnos e noturnos), mensalmente, para as meninas que já menstruam; e a redução no número de faltas das alunas em dias letivos por conta do período menstrual, evitando prejuízos relacionados à aprendizagem e ao rendimento escolar.

“Nós acreditamos que estamos ajudando a transformar a realidade dessas meninas e mulheres, levando dignidade e proporcionando uma rotina saudável e segura durante o período menstrual”, avalia o ex-prefeito e idealizador do projeto, Camilo Martins.

Publicidade