Santa Catarina vai vacinar crianças sem exigência de receita médica

    Etapa burocrática pensada pelo MS seria para vacinação infantil ter mais empecilhos

    A comissão que define regras para o combate ao coronavírus em Santa Catarina determinou nesta segunda-feira (27/12) que a vacinação contra a Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos será realizada indistintamente, isto é, sem a necessidade de apresentação de receita médica. A exigência será que a criança esteja acompanhada pelos pais ou responsável e que seja apresentado um documento de identificação.

    O passo burocrático da receita médica havia sido requisitado pelo Ministério da Saúde, contrário à vacinação infantil, para colocar um empecilho à imunização infantil. A pasta do governo Bolsonaro atrasa o fornecimento de vacinas para as crianças do Brasil sob a desculpa de uma consulta de opinião popular, jamais feita para qualquer outro tipo de imunizante, sempre fornecido de forma técnica e sem a interferência ideológica de negacionistas. O MS afirma que vai atrasar a vacinação das crianças pelo menos até 5 de janeiro, de modo a promover uma narrativa fantasiosa e colocando a política acima da proteção das crianças. Sem pautas nacionais de relevância, o presidente Jair Bolsonaro está em campanha contra a vacinação pediátrica, incluindo sua própria filha de 11 anos na falha de cobertura, afirmando que não vai vaciná-la.

    A decisão da Comissão Intergestores Bipartite em SC foi tomada considerando dados e não opiniões políticas sem embasamento. A aprovação da Anvisa de uso da vacina Pfizer para a imunização contra coronavírus de crianças de 5 e 11 anos de idade foi calculada sobre evidências científicas concretas, concluindo que o imunizante, quando administrado no esquema de duas doses em crianças, é seguro e eficaz na prevenção da Covid-19 sintomática, da evolução para casos graves potencialmente fatais ou condições que podem ser causadas pelo Sars-Cov-2.

    1/3 da dose
    Publicidade

    A vacina aprovada no Brasil até agora (a Coronavac foi rejeitada) para a imunização das crianças é diferente daquela utilizada para a vacinação das pessoas maiores de 12 anos. As vacinas utilizadas para pessoas com 12 anos ou mais tem uma composição de 30 microgramas por dose e está identificada com uma tampa roxa. Já a vacina que será aplicada na população de 5 a 11 anos terá o equivalente a um terço da fórmula padrão (10 microgramas por dose) e será identificada com uma tampa laranja.

    A Secretaria de Saúde de Santa Catarina vê importância da vacinação deste público e, assim como os demais estados brasileiros, aguarda alguma movimentação do MS quanto à aquisição da vacina. No estado, a população na faixa etária dos 5 aos 11 anos está estimada em 642.800 crianças. Até essa terça (28), 32 crianças de 0 a 9 que moravam em Santa Catarina morreram por complicações da Covid.

    Por Lucas Cervenka – reportagem@correiosc.com.br

    Publicidade