Três agressores de mulheres são presos em Palhoça

Agressores desrespeitaram as medidas protetivas impostas pela Justiça, que expediu mandados de prisão após novas ameaças contra as ex-companheiras

Homens ameaçam e aterrorizavam as mulheres de várias maneiras, presencialmente ou por mensagens - Fotos: PC/Divulgação/CSC
Homens ameaçam e aterrorizavam as mulheres de várias maneiras, presencialmente ou por mensagens - Fotos: PC/Divulgação/CSC

Três homens que descumpriram medidas protetivas foram presos em Palhoça nesta sexta (24/5) e sábado (25) pela Polícia Civil. Cada um responde a inquérito policial por violência física e psicológica contra suas ex-companheiras.

Um dos presos, “J.T.C.” (37 anos), responde a inquérito policial por tentativa de feminicídio, sendo que a vítima sofria violência doméstica há dezessete anos.

Outro, “L.C.” (35), é investigado em inquérito policial em razão de ter causado lesões corporais, danos ao patrimônio e ameaçado a vítima.

Publicidade

O terceiro, “E.S.A.” (44), já havia sido preso em flagrante por ter ameaçado, causado lesões e arrombado a residência de sua ex-companheira, e mesmo com medidas protetivas de urgência não cessou as investidas. Segundo a PC ele continuou a ameaçar de morte a mulher por meio de diversas mensagens, aterrorizando a vítima.

Com o desrespeito às medidas protetivas, os agentes da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso de Palhoça agiram após receberem parecer favorável do Ministério Público e deferimento pelo Poder Judiciário, que de imediato expediu os respectivos mandados de prisão.

A PC afirma que continuará exercendo sua atribuição constitucional de Polícia Judiciária, investigando e combatendo a criminalidade em prol da sociedade de Palhoça.

Após realizados os procedimentos legais, os agressores foram encaminhados a Casa de Albergado, em Florianópolis, e responderão presos ao processo criminal.

Publicidade
COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Boa noite! Essas mulheres provavelmente iriam acabar mortas. Porque esses homens se acham no direito de pensar que são donos das mulheres. Não aceitam a rejeição. Nós mulheres não somos obrigadas a ficar com quem não queremos. Essas pessoas são doentes, psicopatas, não adiante só prender, tem que trata-los, porque quando sair da prisão, vão está furiosos, e vem mata-las. Com toda certeza. Tem que ter uma política social para esses casos, não basta só prender, tem que trata-los como doentes mentais, porque é isso que são. Prender e tratar, dai sim, talvez os casos de feminicídio abaixe nas estatísticas, que hoje no Brasil é altíssima.