Cancelas de pedágios da BR-101 são abertas após formação de fila excessiva

nos últimos dias longas filas de carros se formaram nos pedágios da BR-101 em SC
Nos últimos dias praças de pedágio da BR-101 em SC tiveram longas filas, chegando a 40 minutos de espera - Albano Aquino/CSC

As cancelas em duas praças de pedágio na BR-101 em Santa Catarina foram abertas por exigência do Procon nesta segunda-feira (3/1). Segundo o órgão estadual os contratos com as concessionárias Arteris (trecho norte) e CCR (trecho sul) preveem que a formação de filas para pagamento não pode passar de 300 metros e o tempo de espera em 10 minutos.

O Procon fez a intervenção após constatar filas muito além do permitido. Nos últimos dias as praças de pedágio na BR-101 catarinense apresentaram longa retenção. Em Paulo Lopes, por exemplo, motoristas chegaram a esperar 40 minutos para conseguir pagar o pedágio.

As intervenções do Procon ocorreram em Paulo Lopes e em Tubarão, abrindo as cancelas para que os veículos passassem sem pagar a tarifa até que o fluxo se normalizasse.

Publicidade

Ainda conforme o órgão fiscalizador, as concessionárias CCR e Arteris já haviam sido alertadas sobre as possíveis filas irregulares nas praças de pedágio e as mesmas estavam cientes do aumento de trânsito no fim de ano, podendo prever ações para evitar que as pessoas ficassem tanto tempo esperando para pagar cada pedágio, que é de R$ 2,10 no sul e de R$ 4,10 no norte (Paulo Lopes a Garuva).

“O consumidor é a parte mais frágil nesta situação, é ele quem precisa ficar horas esperando na fila para passar pelo pedágio e o Procon está aqui não para ir contra a empresa, mas para defender o direito do consumidor”, explica o diretor do órgão, Tiago Silva.

+ Moradores de Palhoça bloqueiam BR-101 em protesto contra falta de água

Posição das concessionárias da BR-101

Em nota, a CCR afirma que cumpre com as obrigações contratuais: “A Concessionária CCR ViaCosteira reforça que zela pela comodidade, conforto e segurança do usuário que utiliza a BR-101 Sul/SC, bem como cumpre todas as obrigações previstas no contrato de concessão celebrado com a União, sob fiscalização da ANTT”. Já a Arteris nega que houvesse fila excessiva por causa dos pedágios, afirma que operou com 100% das cabines de cobrança e que a fila é causada por acidentes no Morros dos Cavalos, em Palhoça.

Por Lucas Cervenka – reportagem@correiosc.com.br

Publicidade