Cobertura vacinal de adultos em Florianópolis passa de 100%, mas ainda falta gente

Falta de Censo prejudica estimativas e políticas públicas e não é possível saber quantos antivacinas há

Um homem de cabelo escuro veste camiseta e máscara pretas, ele está sentado e recebe a vacina contra a covid no braço, aplicada por uma profissional da saúde com vestimentas brancas. Neste sábado, Florianópolis vai ampliar a vacinação contra a Covid-19 para pessoas de 26 anos.
Foto: Leonardo Sousa/PMF/Divulgação/CSC

Florianópolis ultrapassou a marca de 102% de adultos vacinados com duas doses contra coronavírus – em relação à projeção populacional do IBGE para 2020 (508.851 habitantes).

O dado representa uma alta aceitação da vacina, porém um cenário irreal, porque, de acordo com o prefeito, Gean Loureiro, muitas dessas pessoas vacinadas em Florianópolis moram na verdade em cidades da região e há ainda os que não se colocaram no lado da solução, isto é, não se vacinaram.

O dado é importante e mostra que a maioria esmagadora da população adulta é de fato consciente sobre a imunização. De acordo com painel vacinômetro são 417.701 pessoas em Florianópolis, de adolescentes a idosos, que receberam as doses contra coronavírus, ou 82,09% da população estimada com vacinação completa. O número da capital catarinense está bem acima de países europeus que estão enfrentando novos problemas com a pandemia por cauda da baixa cobertura vacinal.

Publicidade

Se considerada apenas a primeira dose – que não garante a imunização – 474,5 mil pessoas em Florianópolis receberam a injeção (93% da população). Atualmente, pela falta de censo, não é possível estimar quantas pessoas não quiserem se vacinar contra coronavírus.

+ Prefeitos pedem início imediato da vacinação de crianças
+ Brasil proíbe vôos de seis países para barrar entrada da variante ômicron

Falta de censo prejudica

Os dados de cobertura vacinal e planejamentos municipais para vacinação são influenciados pela ausência do censo do IBGE, cancelado pelo governo federal com a argumentação de que custaria R$ 2,2 bilhões. Só no orçamento secreto, por exemplo, o governo injetou cerca de R$ 3 bilhões em emendas para agradar parlamentares.

Atualmente todos os municípios do Brasil são afetados pela falta do censo, base de dados que resulta em diversas políticas públicas, e contam apenas com as projeções calculadas pelo instituto. Reflexo disso é que, além de Florianópolis, mais 13 municípios de Santa Catarina registram nesse sábado (27/11) cobertura vacinal acima de 100% de primeira dose, mostra o painel da Dive. Pode até parecer positivo, mas isso signifca que os cálculos de distribuição de lotes não podem contar com uma base de dados sólida.

O censo brasileiro é previsto para ocorrer em 2022, porém novos problemas em contratos têm dificultado o andamento. Atualmente a projeção populacional em Florianópolis é de 516 mil habitantes.

Por Lucas Cervenka – reportagem@correiosc.com.br

Publicidade