Entradas dos ônibus da empresa Jotur são proibidas em Florianópolis

    Suspensão das linhas de Palhoça para a capital é temporária, até que empresa "siga as regras"

    A Secretaria de Mobilidade e Planejamento Urbano de Florianópolis proibiu a entrada dos ônibus da empresa Jotur na cidade a partir desta quinta-feira (25/6). Segundo a prefeitura a decisão foi tomada após a circulação de um vídeo gravado dentro de um dos ônibus mostrando o cobrador orientando os passageiros a burlarem as regras para o coletivo não ser impedido de entrar na capital.

    guarda de florianópolis em frente ao um ônibus bitrem da jotur
    Guarda de Florianópolis faz “blitz” nos ônibus que entram na ilha para verificar se regras de evitar o contágio estão sendo seguidas dentro dos coletivos – PMF/Divulgação/CSC

    Ainda conforme a prefeitura, as linhas só voltarão a operar em Florianópolis quando a Jotur, que opera as linhas de Palhoça par a capital, apresentar um planejamento que comprova que a oferta de frota é capaz de atender a demanda de usuários conforme o protocolo sanitário ao qual havia se comprometido a executar.

    Após apresentação desse plano, será feita uma avaliação em conjunto pela Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria de Mobilidade e Planejamento Urbano.

    Publicidade

    + Ônibus com excesso de passageiros são impedidos de entrar em Florianópolis
    + Passageira é multada por se recusar a usar máscara no ônibus

    Jotur lamenta decisão de Florianópolis

    Em nota, a empresa Jotur diz que lamenta o ocorrido registrado em vídeo na última segunda-feira (22), em um dos seus veículos, no primeiro dia do retorno das operações de transporte coletivo intermunicipal.

    “Ainda em fase de ajustes, um dos funcionários da empresa recomenda a organização interna dos passageiros para se adequar ao decreto municipal de Florianópolis – que difere do estadual, onde não há impedimento na ocupação lado a lado dos assentos. A ocupação do ônibus em questão era inferior em número de passageiros exigida por ambos os decretos e a ponte a qual o funcionário se referia era a do rio Araújo, limite entre São José e Florianópolis”, diz a empresa.

    Em relação à proibição da Prefeitura de Florianópolis, a empresa diz que está tomando as medidas cabíveis.

    Publicidade