Excesso de toxina: Cultivos de ostras são interditados em Florianópolis

    cultivo de moluscos ostras cidasc - foto Nicole Barbieri
    Cultivos de moluscos interditados – Nicole Barbieri/Cidasc/Divulgação/CSC

    A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural anunciou, nesta sexta-feira (5/11), a interdição das áreas de cultivo de moluscos de Caieira da Barra do Sul e Taperinha, em Florianópolis, devido à alta concentração da ficotoxina ácido ocadaico. Nessas localidades está proibida a retirada e comercialização de ostras e mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia.

    A interdição é necessária quando é detectada uma concentração de toxina acima dos limites permitidos nos cultivos de moluscos bivalves. Quando consumida por seres humanos, essa substância pode ocasionar náuseas, dores abdominais, vômitos e diarreia. Os locais de produção interditados serão liberados após dois resultados consecutivos demonstrando que os moluscos estão aptos para o consumo.

    As localidades de Enseada do Brito e Massiambú, em Palhoça, estão liberadas e está permitida a retirada e comercialização de ostras e mexilhões e seus produtos, inclusive nos costões e beira de praia.

    Publicidade