Homem invade creche e mata três crianças e duas mulheres em Saudades

Fabiano Kipper Mai, o agressor, depois tentou suicídio e foi preso e levado ao hospital

Um homem de 18 anos, identificado como Fabiano Kipper Mai, invadiu a creche Pró Infância Aquarela, em Saudades, no Oeste de Santa Catarina, e matou três crianças e duas mulheres a golpes de facão. O ataque ocorre na manhã desta terça-feira (4/5).

caminhão do igp em frente à creche aquarela após o atentado em saudades
Três crianças com menos de dois anos e uma professora de 30 anos foram mortas a golpe de facão, além de uma funcionária de 20 anos da prefeitura, que faleceu no hospital – CBM/Divulgação/CSC

As vítimas fatais são três bebês de até 2 dois anos de idade, uma professora da creche e uma profissional de saúde do município que estava no local no momento do ataque. Uma quarta criança ficou ferida. A professora era Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos.

O agressor foi preso e levado para um hospital em Pinhalzinho, porque tentou suicídio. O autor desferiu golpes também contra o próprio pescoço, além de abdome e tórax.

Publicidade

As equipes das polícias Militar e Civil, bem como o Corpo de Bombeiros Militar e o Instituto Geral de Perícias estão no local, na rua Quintino Bocaiúva, no bairro Industrial, atendendo as vítimas. A Polícia Militar, que recebeu diversos pedidos de socorro por volta das 11h, cercou a creche e prendeu o assassino.

A motivação do atentado ainda não é conhecida. A Polícia Civil assumiu o caso. Em buscas na residência do homem a polícia encontrou objetos que classificou como “estranhos”. De acordo com o delegado Jerônimo Marçal Ferreira o agressor não tinha histórico policial.

A governadora interina decretou luto oficial de três dias no estado.

fabiano kipper mai agressor de saudades
Fabiano Kipper Mai matou cinco pessoas em uma creche em Saudades com golpes de facão – Divulgação/CSC
5 golpes de facão

Na parte da noite, em coletiva de imprensa, os órgãos de segurança de SC explicaram algumas circunstâncias do múltiplo crime.

O delegado Ferreira afirmou que mais informações estão sendo levantadas para se entender o perfil de Fernando Kipper Mai e possivelmente a motivação para o ataque. De acordo com o delegado, o agressor sofria bullyng na escola e, por esse motivo, não queria voltar a frequentar as aulas. Também que ele tinha alguns problemas em casa, sem espeficar, que ficava muito trancado no quarto jogando no computador e que possuía R$ 11 mil em espécie, de origem lícita do seu trabalho. Outras facas foram encontradas no seu quarto.

montagem com fotos das mulheres mortas no ataque à creche em saudades
Keli, professora, 30 anos, e Mirla, assistente, 20 anos, foram mortas no ataque – Arquivos Pessoais/Divulgação/CSC

Já o representante do IGP da região afirmou que a análise cadavérica mostrou que cada vítima, incluindo as pequenas crianças, levaram ao menos cinco golpes de facão e foram mais machucadas inclusive que a professora. As crianças eram: Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses, e Murilo Missing, de 1 ano e 9 meses e Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses. As mulheres mortas eram: a professora Keli Adriane Anieceviski, de 30 anos, e a funcionária da prefeitura Mirla Renner, de 20 anos.

Coletiva

Ainda na coletiva, Daniela Reinehr, governadora interina, afirmou que o momento é de dor para Santa Catarina e para o Brasil. Segundo ela, o ataque foge à normalidade e causa consternação em uma cidade pequena e pacata do interior.

“As pessoas não estão preparadas e nem podem imaginar que algo assim possa acontecer. Eu prontamente acionei as nossas forças de segurança para que estivessem aqui. Não há o que traga de volta essas vítimas nem o que compense essa dor. O momento é de trazer nosso apoio e nossa solidariedade. Nosso zelo é muito maior quando falamos de crianças, que não têm condições de se defender. Hoje nós tivemos aqui também duas heroínas. O que desejamos nessa hora é força e resiliência”, afirmou a governadora.

Ao todo, 25 psicólogos de toda a região Oeste estão trabalhando para dar amparo à comunidade e aos familiares. A Polícia Militar deslocou 23 profissionais para a cidade, em nove viaturas. A Polícia Civil, por sua vez, deslocou homens de Pinhalzinho, Modelo, Chapecó, Nova Erechim, além do helicóptero da corporação que atua na região.

Por Lucas Cervenka – reportagem@correiosc.com.br

Publicidade