Talvez seja influência destes dias tenebrosos que todos estamos vivendo, esta exortação ao Padroeiro. É muito difícil impedir que esta energia densa que permeia o mundo nos afete. Mas, vamos fechar os olhos e buscar uma panorâmica deste nosso mundo José, que celebra agora seu 271º aniversário. Uma leve brisa na nossa memória, nesses dias tão quentes!

Desde os tempos em que a terra era grande, em que todos se conheciam e se comportavam como se fosse uma só família, em que a vidinha seguia tranquila o seu curso, e as coisas de fora ficavam distantes, muita coisa mudou. Foram algumas piscadas de olhos e o susto de ver que tudo passou, e passa rápida e inexoravelmente.

O mundo encolheu, pela força compressora da comunicação instantânea e universal, a velocidade aumentou vertiginosamente, as angústias aumentaram, e dar conta da vida ficou mais trabalhoso, bem mais árduo. Criar uma família agora é mais complicado, as crianças perderam o saudável pó da terra, e só brincam em poeiras virtuais; o arrocho, as exigências, o volume monstruoso de impostos, a saúde comprometida e mantida à base de pílulas, a sanidade à custa de psicanálise.

Publicidade

Ai, meu São Josezinho, porque parece que não damos conta!

Desde quando o português, com seu falar lindamente estranho dos Açores veio, por ti passaram tantos e muitos, de todos os cantos e todos os credos…

De grande e horizontal, ficastes menor e vertical e mais pujante. Porque uma cidade é como uma entidade viva, sempre em transformação. E, como teu Padroeiro, és amorosa e cuidadora dos teus. Ferreiras de Mello, Neves, Poetas, Filomenos, Vieiras, Silvas, Souzas, Bergers, Ponts e tantos outros que te conduziram, até chegarem Ávilas, e que estes não desdigam as virtudes do padroeiro, que te tratem com carinho e amorosidade.

São José: dos Ausentes, dos Pinhais, do Cedro, dos Campos, do Rio Preto, do Cerrito, do Ouro, do Norte, da Família, do Trabalho, dos Artesãos, do Casamento, da Chuva, das Causas.

Mas a nossa São José é da Terrafirme, brilhante ponto neste meridional rincão!

Cidade historicamente aguerrida, rebelde, inovadora, de grande substrato cultural, que tenhas força para esta travessia tão difícil!

Mas, além de toda dor que marca este teu aniversário, pelas mortes, de pessoas e negócios, pela esperança cansada, em frangalhos, há que se saber que tudo é impermanente. Nada permanece, e tudo flui em ondas… e tudo tem dois lados – quanto maior o peito, maior também as costas. Assim, à escuridão mais negra há o contraponto da luz mais brilhante. E este sol nascente seja a chama de tua vela, que nos guia. Impérios poderosos passaram, pessoas poderosas passaram, verdades passaram e sempre novas coisas melhores surgiram!

E é precisamente esta fé na vida, no fato de que o universo só caminha para a frente, em expansão, que nos anima e conforta.

Não podemos sair a trabalhar ou a passeio, então mergulhamos em nós próprios-que é a única direção que pode proporcionar uma real expansão de consciência. Deste mergulho surgirá algo novo e grandioso, um despertar!

Somos todos Josés e Marias! Sofridos, mas esperançados de um novo tempo!

A todos nós, Josés e Marias,

Que o COVID logo se transforme em

COM VIDA…. plena, suave, com amorosidade e leveza

COM VIDA…. harmônica, na expressão da paz e da união entre todos;

CONVIDEMOS nosso irmão ao abraço fraterno, ao abrigo do coração….

COMOVIDOS sejamos pela expansão das nossas consciências, tripulantes dessa nave única, nossa Firme Terra!

Por Plínio Verani

+ Uma exposição de cenas de São José pelas lentes de Rony Costa

Publicidade