Vítima de feminicídio era jogadora de futebol e coletora de recicláveis

Jogadora de futebol amador e coletora de recicláveis, Elaine Modesto Cruz, de 23 anos, teve a vida interrompida por cinco disparos no peito na última quarta-feira (21/7), em Florianópolis. O feminicídio ocorreu após a vítima sair para encontrar o ex-companheiro em frente à igreja da comunidade da Vila Aparecida. Ele é suspeito do crime e fugiu do local em uma moto.

Elaine é branca e tem cabelos escuros e compridos, ela usa uma blusa vermelha e calça preta, além de um cordão azul. Ela foi vítima de feminicídio em Florianópolis nesta semana.
Elaine Modesto Cruz, de 23 anos, foi morta a tiros; principal suspeito é o ex-namorado – Reprodução/Redes sociais/Divulgação/CSC

Informações indicam que a vítima do assassinato estava visitando a mãe no bairro Abrãao, quando recebeu uma mensagem para encontrar o ex-namorado. A relação com o suspeito, identificado como Rafael Luiz Amaral, de 24 anos, teria terminado há uma semana. Ele teria passagens por roubo, furto e violência doméstica.

Familiares e amigos usaram as redes sociais para deixar mensagens. “Minha prima linda vou guardar de ti as boas risadas e os momentos bons que vivemos juntas, não da pra explicar a dor que sinto em saber que sua vida foi interrompida por um ato tão cruel e covarde de alguém que não aguentou sua felicidade”.

Publicidade

+ Florianópolis oferece serviço de assistência às vítimas de violência

Elaine jogava futebol sete no bairro João Paulo, no Fanáticas Futebol Clube, que publicou uma mensagem de “luto por nossa zagueira”, e era uma das fundadoras do time Acmrfut7, da Associação de Coletores de Materiais Recicláveis de Florianópolis (ACMR).

Ela trabalhava na associação e participou no mês passado de um congresso internacional em Brasília. O Instituto Lixo Zero Brasil publicou uma nota que descreve Elaine como “uma jovem especial, inteligente, que começou a sonhar em ser grande, maior. Planejava estudar mais, crescer, ser útil a sociedade, exemplo entre os seus. Encantou Brasília e o mundo a exatos 30 dias no congresso internacional de cidades lixo zero”.

Por Ana Ritti – redacao@correiosc.com.br

Publicidade