Santa Catarina tem fila de 95 mil cirurgias eletivas represadas

    Secretário de saúde presta esclarecimentos à Alesc - confira ao vivo

    O crescimento no número de cirurgias eletivas represadas em Santa Catarina chega a uma fila de 95,4 mil. É o que alertouo deputado estadual Vicente Caropreso (PSDB), em na sessão de terça-feira (29) da Assembleia Legislativa.

    “O número assusta e cresce rapidamente. Em 2019 eram 73 mil pessoas aguardando uma cirurgia, em abril de 2021 a fila já somava 94 mil pessoas. Sucessivas portarias autorizaram essas cirurgias nas janelas que a pandemia abriu, mas foram poucos dias”, relatou Caropreso, que é médico.

    Segundo o parlamentar, proibir cirurgias eletivas que demandam o uso de UTIs foi necessário para garantir o acesso ao kit intubação para os casos graves da Covid-19.

    Publicidade

    “Além da falta de leitos, a rede de hospitais filantrópicos encontra dificuldades na compra do kit intubação, que estão custando oito ou dez vezes mais e os distribuidores estão com dificuldade para entregar. Não há falta do kit, mas também não há em estoque”, confidenciou Caropreso.

    O representante de Jaraguá do Sul explicou que a queda do número de óbitos pela Covid infelizmente não diminuiu a pressão sobre o sistema de saúde.

    “Cerca de 92% dos leitos de UTI estão ocupados, por isso o represamento das cirurgias eletivas é hoje o grande gargalo da saúde. É urgente imunizar contra a Covid para desafogar os hospitais”, defendeu Caropreso, que propôs aumentar os repasses aos nosocômios e a compra, pelo estado, de kits intubação para uso na rede filantrópica.

    Secretário presta esclarecimentos

    O secretário de Saúde, André Motta Ribeiro, será ouvido pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Santa Catarina nesta quarta-feira (30), às 9h. A participação do secretário foi requerida pelo deputado Caropreso durante a manifestação dessa terça.

    Publicidade